O Reino do Congo, localizado na atual Angola e na República Democrática do Congo, atingiu seu auge entre os séculos XIV e XVII. Engajando-se no comércio com os portugueses, eles adotaram o cristianismo desde cedo. O declínio do reino começou no final do século XVII devido a conflitos internos e influência europeia.

Origens do Reino do Congo

As origens do Reino do Congo remontam ao declínio do antigo reino de Bangu, que estava localizado ao norte do Rio Congo.

Pessoas de língua banta da área do Rio Benue migraram para as regiões de Uele e Bas-Congo (Kongo Central) por volta de 1000 a.C. Eles foram os primeiros migrantes conhecidos na área anteriormente ocupada pelo Reino do Congo. Eles foram seguidos por ondas de migrantes de língua nilótica das regiões do sul e centro do Sudão, bem como grupos (principalmente criadores de gado) do leste da África, que eventualmente se estabeleceram na área dos Grandes Lagos.

Esses migrantes ocuparam uma área que está atualmente dentro das fronteiras de Angola, República Democrática do Congo, República do Congo e (em certa medida) Gabão Sul.

Os povos de língua banta trouxeram consigo seu conhecimento de metalurgia e agricultura. O poderoso Rio Congo e seus afluentes atravessam a área fértil, permitindo que os novos colonos cultivem inhame, sorgo, milho, palmeiras de óleo e vegetais. Sua habilidade em fazer ferramentas de ferro permitia que cultivassem mais colheitas. Com abundância de alimentos, não demorou muito para que sua população aumentasse.

Com o passar dos anos, a maioria das pessoas que vivia na região falava uma língua banta chamada Kikongo. O que tornava a sociedade congolesa antiga única era seu sistema de descendência matrilinear (as crianças herdavam suas posições e propriedades por meio de suas mães). Suas vilas e cidades simples logo se transformaram em miniestados (wene) governados por chefes ou líderes de clã.

The Bantu people

O Nascimento do Reino do Kongo

O Reino do Kongo começa com o casamento de Nima a Nzima com Luqueni Luansanze, filha de Nsa-cu-clau, chefe do povo Mbata. Seu casamento solidificaria a aliança entre o Mpemba Kasi e o povo Mbata vizinho, uma aliança que se tornaria a base do Reino do Kongo. Nima a Nzima e Luqueni Luansanze tiveram um filho chamado Lukemi Lua Nimi, que se tornaria a primeira pessoa a assumir o título de Mutinu (Rei). Acredita-se que Lukemi Lua Nimi tenha nascido entre 1367-1402 EC.

Lukemi Lua Nimi, king of the Kingdom of Kongo

Estima-se que o núcleo do reino tenha começado na província de Mpemba Kasi, no sul do Kongo, e que Lukemi Lua Nimi tenha construído a cidade capital de Mbanza Kongo, que atualmente está localizada no norte de Angola.

Apesar de ser um dos maiores reinos da África, a expansão do reino foi alcançada sem conquistas militares. O reino não possuía um exército organizado, havia guardas reais que eram homens fortes escolhidos para proteger os idosos, crianças e mulheres e vigiar as fronteiras do reino. Os guardas reais também protegiam a corte real e executavam as ordens do rei.

Os guardas reais não eram mercenários ou escravos, eram chamados de “Bana Ba Nazo”, que significava “filhos da casa”. Isso porque eles estavam sob os cuidados da corte real desde a infância, sendo retirados de suas famílias ou sendo órfãos.

O reino do Kongo expandiu-se sem um exército porque os reinos vizinhos tinham a liberdade de escolher se tornar parte do reino e se tornar províncias, desde que concordassem, se comprometessem, respeitassem e seguissem as leis estabelecidas. As províncias tinham a opção de deixar o reino sem qualquer resistência ou retaliação por parte do governo central. Esse método de governança pode explicar por que houve pouca ou nenhuma resistência quando os europeus invadiram o reino.

Estima-se que o reino do Kongo tenha tido cerca de 3 milhões de súditos no total. Acredita-se que o reino tenha tido 6 reis (incluindo Nima a Nzima, apesar de nunca ter assumido o título de rei antes de 1490).

Em seu auge, nos séculos XV e XVI, o reino controlava cerca de 240 km (150 milhas) da costa, desde o rio Congo, no norte, até pouco antes do rio Cuanza, no sul, e se estendia por cerca de 400 km (250 milhas) no interior da África Central, até o rio Kwango.

General map of the Kingdom of Kongo
Map of the Kingdom of Kongo 1648

Estrutura Política do Reino do Congo

O rei tinha um conselho de 12 conselheiros sábios que eram nomeados vitaliciamente na corte real. Os 12 conselheiros tinham o poder de destituir o rei devido a má conduta ou incapacidade de liderar o reino. O papel do rei era descrito como o servo do povo, mantendo a ordem cósmica e social e ajudando os membros prósperos da comunidade a viverem com humildade. O rei garantia a equidade entre os Bakongo e era respeitado e representado nas províncias pelos governadores. O reino tinha 12 províncias que eram governadas por 12 governadores escolhidos pelo rei. As províncias eram:

  • Mbata
  • Mpemba
  • Mpangu
  • Ndongo
  • Nsundi
  • Matamba
  • Mbamba
  • Soyo
  • Mpumbu
  • Loango
  • Kokomo
  • Ngoyo

Eleição de um novo rei

Qualquer cidadão do Reino do Congo poderia se tornar rei. Após a morte do rei, o falecimento do rei era anunciado às províncias do reino. Em seguida, as províncias se preparavam para apresentar seus candidatos. Meses, às vezes anos, podiam se passar até que um novo rei fosse escolhido. O conselho dos 12 homens sábios governava o reino até que um novo rei fosse eleito.

Os candidatos ao reinado deveriam apresentar suas propostas para o papel a um conselho de 12 homens sábios em suas províncias. Cada conselho das províncias escolheria o melhor candidato para apresentar aos 12 homens sábios em Mbanza, a capital do reino. Os candidatos selecionados participariam de um exame oral diante de um grande conselho, composto pelos 12 conselheiros sábios de Mbanza e pelos 12 governadores das províncias.

Dois candidatos foram então escolhidos como finalistas, e os 12 governadores e os 12 sábios de Mbanza escolheram um dia para a eleição. No dia da eleição, o rei era escolhido pelos 12 conselheiros de Mbanza levantando as mãos. Uma vez eleito o novo rei, os 12 governadores renunciavam e aguardavam que o rei os substituísse ou reatribuísse. Os cidadãos de Mbanza eram convidados a ver o novo rei, e o membro mais idoso dos conselheiros subia a um pódio para apresentar o novo rei.

O Reino do Congo tinha um costume único. Uma posição era concedida a todos os 12 candidatos escolhidos para o reinado. Os finalistas se tornavam cidadãos de Mbanza e nunca mais retornavam às suas províncias. Todos os 12 candidatos recebiam um título nobre, como Mani. Esse título era usado para distinguir um rei ou alguém com autoridade. Outro título que também era usado era Ne. O título dado aos candidatos era seguido pelo nome de sua província, distrito ou função (para aqueles que ocupavam cargos na corte real). Por exemplo, Mani Matamba era o Mani de Matamba.

Comércio, Tecnologia e Educação do Reino do Congo

Os cidadãos do reino se dedicavam à criação de animais, caça e agricultura. Eles aprendiam um ofício de sua escolha e se matriculavam em uma escola prestigiosa. As escolas mais famosas eram Buelo, Kinkimba, Lemba e Kimpasi. Essas escolas prestigiosas tinham o objetivo de formar a elite do reino. A matrícula estava aberta a qualquer membro da sociedade, mas os estudantes tinham que participar de cerimônias de iniciação que tinham critérios rigorosos de seleção.

O reino prosperava graças ao comércio de marfim, cobre, sal e peles de gado. O reino produzia seus próprios bens por meio de grupos especializados de artesãos, como tecelões (que produziam os famosos tecidos de ráfia do Congo), ceramistas e metalúrgicos que fundiam ouro e cobre. O Reino do Congo possuía uma ampla rede comercial e se tornou o centro das rotas comerciais de cerâmica, marfim, cobre e tecido de ráfia.

O nível de comércio realizado entre os povos da floresta e das regiões de savana da África centro-oeste é indicado pelo uso estabelecido de uma moeda de conchas, as conchas em espiral nzimbu, que originalmente vinham de Luanda, uma ilha situada a 240 km de distância. Inicialmente utilizadas como forma de armazenar riqueza e como medida padrão de valor de outros bens, as conchas passaram a ser utilizadas como moedas para pagar por mercadorias e trabalho. Não tendo o comércio da região exclusivamente para si, reinos rivais da África equatorial incluíam Loango e Tio, ambos localizados ao norte do Congo, e a confederação solta de tribos de Ndongo ao sul (atual Angola).


Fontes

Bostoen, Koen and Inge Brinkman. The Kongo Kingdom: The Origins, Dynamics and Cosmopolitan Culture of an African Polity. Cambridge University Press, 2018.

Encyclopedia Britannica. “Kongo.” Encyclopedia Britannica, Encyclopedia Britannica, Inc., 19 Aug. 2016, https://www.britannica.com/place/Kongo-historical-kingdom-Africa.

The New York Public Library. “The Unsung History of the Kingdom of Kongo.” The New York Public Library, The New York Public Library, 2 Nov. 2021, https://www.nypl.org/blog/2021/11/02/unsung-history-kingdom-kongo.

World History Encyclopedia. “Kingdom of Kongo.” World History Encyclopedia, World History Encyclopedia, 27 Feb. 2019, https://www.worldhistory.org/Kingdom_of_Kongo/.