Hatshepsut, a quinta faraó da 18ª Dinastia do Egito, governou no século XV a.C. Como uma das poucas faraós femininas do Egito, seu reinado foi marcado pela paz e avanços arquitetônicos, notavelmente o Templo de Hatshepsut em Luxor. Seu legado permanece influente na história do antigo Egito.

Quem foi Hatshepsut?

Hatshepsut foi uma faraó da 18ª Dinastia do Egito. Ela governou por 20 anos, de 1478 a 1458 a.C. Ela ficou famosa por desempenhar um papel fundamental em tornar o Egito o reino mais rico da Idade do Bronze e por ser a terceira mulher a se tornar faraó. Quando a rainha Hatshepsut faleceu, seu legado foi apagado intencionalmente. Hoje em dia, poucas pessoas conseguem pronunciar corretamente seu nome.

Nascimento da Rainha Hatshepsut:

1506-1492 a.C.

A rainha Hatshepsut nasceu por volta de 1506 a.C., durante a Idade do Bronze, filha de Thutmose I e sua esposa Ahmose. No entanto, um filho teria sido preferível, pois o herdeiro do trono normalmente era o filho da rainha. Apesar disso, Thutmose I tinha planos para a princesa Hatshepsut na época. Ele a treinou para se tornar a próxima Esposa de Amun.

Como Esposa de Amun, Hatshepsut possuía grandes propriedades e terras. Além disso, ela aprendeu com os melhores tutores em economia, política e religião do Egito. A princesa Hatshepsut se tornou Esposa de Amun muito jovem, estima-se que ela tinha cerca de 10 anos de idade. Thutmose I queria que essa posição influente fosse ocupada por alguém leal a ele, e Hatshepsut era a escolha perfeita. Historiadores concluíram que Hatshepsut idolatrava seu pai e o fez ser reenterrado na tumba que ela mesma construiu quando ficou mais velha.

Thutmose I fez com que Hatshepsut estivesse ao seu lado em eventos importantes, e por causa disso, ela aprendeu como os programas de construção funcionavam como propaganda e programas de emprego, além de aprender como vencer guerras. A princesa Hatshepsut cresceu e se tornou a maior sacerdotisa do Egito, tudo o que ela precisava fazer era se casar com seu próprio irmão e se tornar a Grande Esposa do Rei. Isso pode parecer estranho para muitos de nós nos tempos modernos, mas acreditava-se que dessa forma eles poderiam produzir o herdeiro mais puro para o trono.

Image showing the birth of queen Hatshepsut, an image showing Ahmose, the wife of Thutmose I holding Hatshepsut as a baby.

Rainha Hatshepsut governou como Regente:

1492-1478 a.C.

Aos 12 anos de idade, Hatshepsut era a única criança real pura após a morte de seus dois irmãos completos. O próximo melhor herdeiro ao trono era o meio-irmão de Hatshepsut (também chamado Thutmose), filho de Mutnofret, uma das esposas secundárias de Thutmose I (também conhecidas como esposas do harém). Hatshepsut se casou com seu meio-irmão, Thutmose II, após a morte de Thutmose I, tornando-se rainha do Egito aos 12 anos de idade.

Acredita-se que Thutmose II fosse frágil, pois estava coberto de lesões e tinha um coração aumentado e falta de ar desde o nascimento. Thutmose II era jovem demais e fraco demais para exercer o poder, no entanto, graças ao treinamento dado por Thutmose I, Hatshepsut se tornou o verdadeiro poder por trás do trono egípcio. O reino dependia dela para conceber um herdeiro masculino. Apesar de tudo isso, Hatshepsut era uma importante figura religiosa com experiência em administrar suas próprias propriedades. Portanto, a rainha Hatshepsut dominava o relacionamento e aconselhava Thutmose II sobre como governar o reino.

A Rainha Hatshepsut deu à luz uma filha, Neferure, e o ciclo sem um herdeiro masculino continuou. Isso era um problema, pois a linhagem de Thutmose no trono poderia terminar, assim como aconteceu quando o Faraó Amenhotep I morreu sem produzir um herdeiro masculino. Isso traria incerteza ao Egito.

Após 3 anos no trono, Thutmose II faleceu em 1479 a.C., e nessa época, a Rainha Hatshepsut tinha cerca de 16 anos de idade. Thutmose II teve alguns filhos do sexo masculino com suas “esposas do harém”, embora esses filhos não fossem tão puros quanto os filhos que Thutmose II e a Rainha Hatshepsut poderiam ter tido juntos. Um desses bebês do sexo masculino precisava ser escolhido como o próximo faraó, nenhum deles com mais de 2 anos de idade. Isso era estranho para o Egito, pois um bebê precisaria de pelo menos 15 anos de governo por um regente antes de se tornar faraó. Por causa disso, rumores de uma nova dinastia começaram a se espalhar pelo palácio. A Rainha Hatshepsut elaborou um plano para que o deus Amun escolhesse o próximo faraó. Isso seria uma ótima maneira de tranquilizar o povo do Egito. Ela garantiu que isso acontecesse na frente de o maior número possível de pessoas. Hatshepsut organizou uma cerimônia na qual uma estátua de Amun foi trazida e os príncipes bebês foram colocados em frente a ela. De alguma forma, a estátua escolheu outro Thutmose, filho de Isis, que então se tornou Thutmose III.

A Rainha Hatshepsut se tornou regente do jovem Thutmose III. Thutmose III, que se tornaria um dos grandes reis guerreiros do Egito, era jovem demais para governar. Por causa disso, era aceito que as rainhas viúvas atuassem como regentes, cuidando dos assuntos do reino até que seus filhos se tornassem adultos o suficiente para governar. Os generais, sacerdotes e a burocracia tinham grande confiança na Rainha Hatshepsut. Ela começou a acumular poder lentamente e de forma calculada, o exército, os templos, os palácios, os celeiros e todos os aspectos da vida egípcia estavam ligados a Hatshepsut.

Recompensas fluíam do palácio real para o clero de Amun, que jurou uma aliança eterna com Hatshepsut. Os impostos eram arrecadados de forma eficiente e a Rainha Hatshepsut iniciou um dos projetos de construção mais ambiciosos, começando pelos templos. A maioria de seus projetos foi concentrada em Tebas, o centro da dinastia Thutmose. A Rainha Hatshepsut enviou arautos reais por todo o reino e além-mar para falar em seu nome e recompensar os apoiadores leais. Hatshepsut encheu os templos por todo o Egito com sacerdotes que tinham um interesse pessoal em apoiá-la. Ao longo do tempo, ela construiu uma legião de apoiadores militares, religiosos e políticos. A Rainha Hatshepsut foi construindo poder lentamente, conquistando o apoio de todos os cantos do reino egípcio, a ponto de apoiá-la se tornar a escolha lógica. Ela nunca tentou se aliar a um homem poderoso e nunca recorreu a assassinato ou golpe, pois nunca precisou.

Hatshepsut governou o Egito com sabedoria e estabilidade, estabelecendo uma era de prosperidade e crescimento. Sua reputação como uma das mais bem-sucedidas faraós do Egito se estende até os dias de hoje. Sua coragem, inteligência e visão estratégica a tornaram uma figura icônica da história egípcia e uma inspiração para as mulheres em posições de liderança.

Hatshepsut teve que renunciar ao cargo de Esposa de Amun, pois essa não era uma posição vitalícia. Hatshepsut preparou sua filha, Neferure, para assumir o papel de Esposa de Amun, mas ela precisava de mais tempo para garantir que Thutmose III pudesse se estabelecer no trono.

A Rainha Hatshepsut esculpiu mensagens importantes em obeliscos, templos e palácios em todo o Egito. Essas esculturas mostravam ela realizando tarefas que um rei faria, como falar com os deuses, dar ordens e fazer oferendas, enquanto vestia o traje de uma rainha, mas a coroa de um rei. Hatshepsut conhecia o pensamento do povo do Egito, então, à medida que sua imagem se tornava mais semelhante à de um rei, ela se certificava de informar ao seu povo que Amun a havia escolhido pessoalmente para governar.

Faraó Hatshepsut:

1478 – 1458 a.C.

Hatshepsut se tornou uma Faraó em 1478 a.C. Ela foi oficialmente coroada como rei do Egito, e seu título finalmente se alinhou com o que ela vinha fazendo todos esses anos. Dos 12 aos 20 anos de idade, Hatshepsut se posicionou como rainha, depois regente e, em 1478 a.C., como Faraó do Egito. A Faraó Hatshepsut já estava gerenciando os negócios diários do Egito: construindo templos, comandando governadores, coletando impostos e controlando rebeliões.

Image showing a statue of Hatshepsut as a Pharaoh with the kings crown on her head

Hatshepsut ergueu dois grandes obeliscos no templo de Karnak para tornar sua coroação pública. Um desses obeliscos é o mais alto da história do Egito. No mundo antigo, um obelisco era considerado um milagre, algo que apenas alguém ordenado pelos deuses poderia realizar, e Hatshepsut construiu muitos obeliscos, um dos quais ainda está de pé hoje. Ela construiu mais pares de obeliscos de granito vermelho no templo de Karnak do que qualquer outro rei egípcio conhecido. Todos esses obeliscos eram parcialmente cobertos de eletro, de modo que, quando o sol incidia sobre eles no ângulo correto, eles se iluminavam e pareciam capturar a energia do próprio sol.

Para provar que os deuses confiavam nela, Hatshepsut enviou homens para a terra de Punt, que se acreditava ser perigosa. Todas as expedições anteriores a Punt haviam sido concluídas apenas pelos maiores reis. No nono ano do reinado da Faraó Hatshepsut, eles retornaram com cargas de incenso, ébano precioso, materiais exóticos e mirra. Para os egípcios da época, a expedição a Punt teria sido um fracasso se ela não estivesse destinada a ser uma rainha.

Hatshepsut reabriu redes de comércio exótico que haviam sido fechadas por gerações em todo o mundo antigo. A Faraó Hatshepsut foi o catalisador de inúmeras construções, e mais artesãos do que nunca estavam trabalhando em grandes projetos de templos em todo o Egito. Um trabalho desse nível não era visto há séculos. Quando Hatshepsut assumiu o poder, o Egito era um país cheio de construções feitas de tijolos de barro. Agora, o Egito estava repleto de templos esculpidos em rochas, grandes pilones e obeliscos.

A construção mais inovadora foi o templo mortuário de Hatshepsut em Deir el-Bahari. A Faraó Hatshepsut chamou este templo de “Djeseru” que significa “Santo dos Santos”. Este templo era uma obra-prima gigantesca, com grandes espaços abertos em três terraços diferentes interligados por rampas. Na época, todos esses terraços abrigavam jardins cheios de plantas exóticas e árvores de incenso. O que o tornava ainda mais impressionante é que parecia estar emergindo da montanha atrás dele. Grandes imagens de Hatshepsut estavam por toda parte, com aproximadamente 100 estátuas enormes da Faraó Hatshepsut como esfinge guardando o caminho processional. Para uma construção de 3.000 anos, parecia bastante moderna, tornando-a uma das maravilhas arquitetônicas do mundo antigo. O templo mortuário de Hatshepsut era usado para rituais religiosos especiais relacionados ao culto que garantiria a vida após a morte da Faraó Hatshepsut.

Image showing the temple of Hatshepsut in Dier El Bahri

Thutmose III cresceu como um jovem guerreiro saudável, e Hatshepsut enviou Thutmose III por todo o Egito para aprender a ser um grande general. Hatshepsut se certificou de que ele desenvolvesse conexões com elites ao longo do Mar Mediterrâneo. À medida que Thutmose III foi crescendo, a Faraó Hatshepsut teve que mudar como ela estava sendo retratada, de mulher para homem. Isso ocorreu porque uma mulher poderia superar um menino, mas não poderia superar um homem. Portanto, essas mudanças eram necessárias para garantir que o governo de Hatshepsut e Thutmose III fosse legítimo. De acordo com historiadores, a Faraó Hatshepsut escondeu todos os seus traços femininos em imagens e se apresentou como um homem de peito largo e sem camisa, usando uma falsa barba faraônica. No entanto, ela continuou a se descrever como uma mulher, usando pronomes como “ela” e “dela” em seus escritos.

Para concluir a transição de poder de Hatshepsut para Thutmose III, ela realizou um festival Sed. Após o festival Sed, todos os templos do Egito retrataram Hatshepsut como um homem. Durante a celebração Sed, Thutmose III, que tinha 17 anos na época, atuou como co-rei ao lado da Faraó Hatshepsut. Thutmose III já estava maduro o suficiente para governar, e o festival sed foi a melhor maneira para Hatshepsut anunciar formalmente sua ascensão ao poder.

Image showing drawings of the Sed Festival Hatshepsut organised

Morte de Hatshepsut:

1458 a.C. – 2006

Historiadores acreditam que Hatshepsut morreu devido a câncer ou diabetes. Hatshepsut faleceu em meados de seus 40 anos, por volta de 1458 a.C. Ela foi enterrada no fundo das falésias do lado leste do Vale dos Reis (KV60). Sua tumba acomodava seu sarcófago e o de seu pai, Thutmose I, o que era mais uma forma de legitimar seu governo.

Image showing the valley of the kings where Hatshepsut and other Pharaohs of Egypt are buried.

Após a morte de Hatshepsut, Thutmose III iniciou a erradicação da história de Hatshepsut de todos os templos do Egito. Sua imagem foi destruída e removida de seus monumentos por meio de uma campanha sistemática para apagar seu legado. Cinzéis e martelos foram usados em todo o Egito para apagar Hatshepsut da história. Isso não foi feito maliciosamente ou por qualquer forma de ódio, mas sim para reescrever o registro oficial da história e mostrar que o trono passou diretamente de seu pai para ele mesmo. Thutmose III esperou até o final de seu longo reinado, que se estendeu de 1458 a 1425 a.C. Historiadores acreditam que Thutmose III também precisava estabelecer a legitimidade de seu próprio filho, então ele teve que provar que a coroa passou de Thutmose I, depois Thutmose II, Thutmose III e, em seguida, para seu filho. Uma vez que o filho de Thutmose III assumiu o trono, a destruição do legado de Hatshepsut parou.

A múmia de Hatshepsut foi descoberta em 1903 por Howard Carter. A múmia de Hatshepsut foi identificada graças a estudos médicos e evidências históricas. A Faraó Hatshepsut agora descansa no Museu do Cairo.


Artigos Relacionados


Fontes

Smithsonian Magazine. “The Queen Who Would Be King.” Smithsonian Magazine, Smithsonian Institution, 28 Mar. 2011, https://www.smithsonianmag.com/history/the-queen-who-would-be-king-130328511/.

History.com Editors. “Hatshepsut.” History, A&E Television Networks, LLC, 3 Feb. 2010, https://www.history.com/topics/ancient-egypt/hatshepsut.

Discovering Egypt. “Hatshepsut.” Discovering Egypt, discoveringegypt.com, https://discoveringegypt.com/ancient-egyptian-kings-queens/hatshepsut/.